Revista Fórum

Clique para compartilhar o link do texto original

O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), disse na segunda-feira (9) que a violência contra a mulher é um “instinto natural do ser humano”. A declaração foi feita durante o lançamento do programa MG Mulher, que contará com um aplicativo de suporte às vítimas de violência doméstica.

[...]

“Nós temos que ter ferramentas que inibam isso que a gente poderia até chamar meio que de um instinto natural do ser humano. Estamos, no meu entender, nós, aqui do Ocidente, bem à frente daqueles países, principalmente daqueles onde a religião muçulmana prevalece e onde as mulheres ainda são quase que consideradas cidadãs de segunda categoria. Mas, apesar de estarmos à frente, isso não nos tira a responsabilidade de avançarmos mais ainda”, declarou o chefe do Executivo mineiro.

A fala teve forte repercussão negativa e, na tentativa de consertar, Zema divulgou uma nota oficial nesta terça-feira (10). “Ao dizer instinto natural do ser humano, o governador faz menção ao fato absurdo de o agressor enxergar a violência, seja física ou verbal, como algo natural”, diz o texto.

Confira a íntegra.

O governador Romeu Zema trata a violência contra a mulher como um crime, uma conduta covarde, abominável, que precisa ter uma punição exemplar. Nesse sentido, ao dizer instinto natural do ser humano, o governador faz menção ao fato absurdo de o agressor enxergar a violência, seja física ou verbal, como algo natural.

Desde o início da gestão, o governador Zema determinou maior atenção às vítimas de violência e o reforço das ações para combater o crime. O lançamento do MG Mulher, nesta segunda-feira, é mais uma prova disso e será uma ferramenta de proteção. Com o programa, o governador quer incentivar as mulheres a se defenderem e garantir o monitoramento efetivo do agressor. 

Destacamos ainda que durante a atual gestão foi criado o Núcleo Especializado de Investigação de Feminicídios, com objetivo de dar mais agilidade e eficiência às apurações da Polícia Civil em relação aos crimes de feminicídio consumado.

Leia o texto completo em Revista Fórum